Juliana Damasceno

Meus gatos estão brigando, e agora?

Os conflitos entre os felinos podem ser comuns em casas com mais de um gato, mas não pode ser considerado normal. O estresse social pode prejudicar a saúde física e emocional dos felinos.

Escrito por Juliana Damasceno

19 JUN 2024 - 09H33 (Atualizada em 19 JUN 2024 - 09H41)

Amantes dos felinos dificilmente tem apenas um gato em casa, os gateiros se apaixonam pela espécie e passam a ter uma casa multi-cat. Casas com mais de um gato podem enfrentar conflitos entre eles, que podem ocorrer de maneira mais esporádica ou mais frequente, com agressividades mais intensas e diretas, como patadas e perseguições, quanto mais sutis, como encaradas e bloqueios de passagem. A presença desses conflitos, estabelece um estresse social que prejudica ativamente o bem-estar dos indivíduos, conduzindo-os a desenvolverem outras questões de comportamento e saúde.

Para evitar e intervir nessa questão social, tornando o ambiente mais harmonioso e sem conflitos, é importante termos a compreensão da razão pela qual os gatos podem estar brigando. Geralmente a agressividade entre gatos possui origem multifatorial, com diversas causas afetando a comunicação e dificultando a convivência harmoniosa entre os gatos.

De maneira geral, o comportamento do gato, em sua origem, não é social. Eles são considerados sociais facultativos, ou não obrigatórios. O que isso quer dizer? A espécie ancestral do gato doméstico não é sociável, da família toda dos felinos, apenas o leão é uma espécie sociável. Apesar de com a evolução da domesticação o gato doméstico formar voluntariamente pequenos grupos, denominados colônias, essas comunidades de gatos são formadas por membros aparentados e fêmeas. Dificilmente gatos não aparentados formam voluntariamente grupos coesos e harmônicos, e quando este fenômeno ocorre na natureza, se dá pela abundância de recursos. Gatos são animais territoriais, ou seja, determinam um território na natureza onde encontram todos os recursos necessários para sobreviverem (água, potenciais presas, locais para se abrigarem, etc), quando há mais recursos em um território que podem ser partilhados, gradativamente há uma aceitação de outro gato no ambiente. Quando isso não ocorre, há uma disputa por esse território e os conflitos determinam quem fica e quem sai.

Portanto, para que uma casa multi-cat tenha harmonia precisamos considerar dois fatores primordiais: a quantidade e disposição de recursos para facilitar o acesso, assim como a forma de introdução de novos indivíduos. Uma pesquisa realizada em 2020, revelou que casas que possuem conflitos entre gatos relatam que os comportamentos agressivos eram exibidos desde a fase de adaptação entre eles. O processo de adaptação de um novo gato deve proceder como um processo gradual e progressivo, com associações positivas para que os gatos não se vejam como concorrentes no ambiente. E para que essa potencial competição seja dissipada, é importante considerar a multiplicação de recursos, considerando a regrinha de n+1, ou seja, um número a mais de cada recurso disponível para os gatos. Exemplo: uma casa com três gatos deve ter três comedouros e eles devem estar dispersos pelo ambiente de todo território, ou seja, toda a casa. A concentração de recursos, disponibilizando água, comida, local de descanso, caixa de areia, brinquedos, arranhadores, em um único cômodo ou parte da casa já é um fator extremamente impactante para despertar competição e estresse social entre eles. Além disso, podem-se desenvolver questões de saúde como problemas gastrointestinais, urinários, relacionados à nutrição, pela dificuldade de acesso aos recursos, quando um gato, por exemplo, impede o acesso de outro, simplesmente bloqueando a passagem. Para evitar o estresse social relacionado aos recursos, uma casa multi-cat deve disponibilizar água, comida, arranhadores, brinquedos, caixa de areia, todos em n+1 e dispersos em toda a casa, garantindo assim oportunidades de acesso facilitado a todos os gatos moradores.

Outros fatores além da quantidade e disponibilidade dos recursos e a adaptação gradativa e estruturada entre os gatos podem estimular conflitos e agressividade entre os gatos como os citados a seguir:

  • Questões de saúde no geral;
  • Dor e desconforto;
  • Estresse;
  • Mudanças na rotina ou ambiente;
  • Luto;
  • Chegada de um novo membro (nascimento do bebê, chegada de um cão ou outro animal);
  • Competição pelo acesso ao tutor;
  • Falta de oportunidades de exibir comportamentos de caça;
  • Comportamento social de brincadeira mal direcionado;
  • Entre outros.

Diversas são as causas que podem estar associadas a um conflito entre felinos, e na maioria dos casos mais de uma causa está presente. Questões individuais afetam o comportamento social, envolvendo questões específicas de cada gato para contribuir nos conflitos.

Levando em conta que os gatos estão brigando por uma ou mais razões relacionadas ao seu bem-estar, é importante destacar que repreender não será efetivo. Chamando a atenção falando alto, fazendo barulho ou utilizando objetos de forma enfática não será eficaz, embora possa parecer funcionar momentaneamente, apenas irá agravar a associação negativa entre os gatos, prejudicando ainda mais a relação entre eles. Por isso, quando os gatos estiverem brigando, calmamente, vá na direção deles e bloqueie a visão entre eles utilizando um objeto como uma almofada. Ao interromper os gatos de se encararem, possivelmente o conflito cessará. Evite colocar a mão ou pegar os gatos, o comportamento agressivo pode ser redirecionado a você, promovendo ferimentos. Caso você enfrente conflitos recorrentes, com mais de uma ocorrência por dia, separe os gatos de ambiente e procure auxílio profissional.

Uma investigação específica será necessária para que estratégias eficazes sejam empregadas para estabelecer harmonia entre eles, tratando todas as causas envolvidas. É possível sim ter um ambiente sem conflitos e essa deve ser a realidade de qualquer gateiro, busque ajuda para ter uma casa multi-cat com harmonia e bem-estar.

Por:
Juliana Damasceno
Bióloga, Mestre e Doutora em Psicobiologia
Fundadora da Wellfelis Comportamento e Bem-Estar Felino


R
eferências

AMAT, Marta; CAMPS, Tomàs; MANTECA, Xavier. Stress in owned cats: behavioural changes and welfare implications. Journal of feline medicine and surgery, v. 18, n. 8, p. 577-586, 2016.

ELZERMAN, Ashley L. et al. Conflict and affiliative behavior frequency between cats in multi-cat households: a survey-based study. Journal of feline medicine and surgery, v. 22, n. 8, p. 705-717, 2020.

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

O que fazer para resgatar um gato arredio (arisco)?

Resgate de gatos arredios nas ruas requer paciência e cuidados. Prepare-se com caixa de transporte, alimentos atrativos e luvas. Aproxime-se gradualmente, evitando forçar contato. Após o resgate, opte pela esterilização e devolução ou encaminhe para adoção responsável. Gatos arredios necessitam de socialização gradual em ambientes seguros, estimulando positivamente.

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

Gatos e visitas: o que fazer quando o felino tem medo de pessoas desconhecidas

Gatos escondem-se de pessoas desconhecidas devido ao instinto de autopreservação, relacionado à territorialidade. Esse comportamento, se não mitigado desde filhote, pode resultar em estresse e problemas de saúde. A sociabilização precoce é crucial para gatos confiantes. Dicas incluem associar visitantes a experiências positivas, criar refúgios adequados e recompensar avanços. Tutores devem evitar repreensões, promovendo um ambiente seguro. Para gatos adultos temerosos, é possível incentivá-los gradualmente a interagir com estranhos. A WellFelis oferece serviços especializados, garantindo o bem-estar dos gatos durante a ausência dos tutores. Gatos mais sociáveis são mais saudáveis e felizes, independentemente da idade.

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

Alimentação para gatos: oferecer livre demanda (à vontade) ou em porções pré-determinadas?

A obesidade em gatos tem se tornado uma questão clínica e comportamental cada vez mais presente, estudos mostram que cerca de 80% dos felinos estão acima do peso. Fatores como a falta de gasto energético de qualidade, competição por alimento em casas multicat e um manejo alimentar inadequado, são os principais responsáveis por este resultado.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Juliana Damasceno, em Juliana Damasceno

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.