Notícias

Gatos devem tomar banho? O que fazer e o que evitar com os felinos

Escrito por Caroline Pasternack

11 JUN 2024 - 14H01 (Atualizada em 12 JUN 2024 - 14H19)

Os felinos são comumente conhecidos por não gostar de água, apesar de alguns até brincarem com ela, se molharem e pedirem para abrir a torneira, a coisa muda quando o assunto é tomar banho. Essa pode ser, inclusive, uma experiência bem negativa e até traumática para o bichano, só que aí os tutores se perguntam: os gatos devem mesmo tomar banho?

A resposta, segundo especialistas, é que não, não devem e nem precisam, salvo algumas exceções, já que os gatos possuem espículas na língua que são capazes de realizar a auto higienização. Com exceção dos que estão acostumados desde muito cedo com o chuveiro, o banho tradicional, com água, shampoo e secador não é indicada.

Juliana Damasceno, bióloga especialista em comportamento e bem-estar felino, explica que o formato único e rígido da língua é capaz de retirar todas as impurezas presentes no pelo ou na pele. "Assim como o formato dos dentes incisivos auxiliam na retirada de parasitas, a saliva contém propriedades que são antissépticas para realizar a manutenção do pelo e a coluna flexibilizada o permite realizar os movimentos necessários".

De acordo com especialistas, o banho pode desencadear altos índices de estresse, gerando paradas cardiorrespiratórias nos animais ou fazê-los provocarem acidentes domésticos. Por natureza, os gatos não precisam de banho. Isso porque eles precisam preservar seus odores corporais para se manter no ambiente. Sem eles, os gatos podem se sentir desorientados, deprimidos, perdidos e incomodados.

De qualquer maneira, os gatos precisam de ajuda para manter a manutenção da limpeza, sendo necessário que o tutor escove seu pelos três vezes por semana, isso ajuda o gato a chegar em áreas mais difíceis, principalmente para os gatos com a pelagem longa.

Algumas exceções:

São poucas, mas existem situações específicas em que os pets não conseguem realizar sua auto higienização. Inclusive, isso pode significar um possível problema de saúde do animal, que deve ser encaminhado para o veterinário. Esse é o caso de bichanos com problemas locomotores, físicos e neurológicos que, por algum motivo de saúde, não estão aptos para se lavar de maneira adequada.

Se for o caso, o banho tradicional é recomendado, desde que feito de maneira cuidadosa, diminuindo ao máximo o estresse do animal. O mais recomendado nesses casos é manter o animal em casa para evitar os estímulos da rua, porém, no caso de tutores que não se sintam confortáveis e seguros para realizar o banho, o recomendado é procurar um profissional especializado.

Os gatos da raça Sphynx, que não possuem pelos, precisam do banho. Essa raça tende a uma oleosidade maior na pele e, por mais que eles se limpem com as lambidas, não conseguem retirar a sujeira que gruda por conta da oleosidade natural. O ideal então é que o banho não tenha cheiros e que a secagem seja feita apenas com uma toalha para diminuir os fatores de estresse.

Juliana finaliza com algumas dicas que são imprescindíveis. A principal delas é usar produtos sem cheiro e hipoalergênicos específicos para felinos, evitando problemas de pele. A atenção quanto à manipulação do gato deve ser redobrada, para que ele não se sinta ameaçado ou com medo. Portanto, evite movimentos bruscos, barulhos altos e contínuos e excesso de estímulos;

Em caso de transporte, deixe a caixa livre para o uso do pet em casa alguns dias antes e permita que ele crie uma relação com o objeto, dessa forma ele deixa de vê-la como algo negativo ou estressante. No momento de escolher o local para o banho, procure pet shops que realizem a limpeza com hora marcada para que seu animal não precise ficar esperando para ser atendido e evite os unir a cachorros ou outros animais no lavatório.

cao-alegre-a-divertir-se_23-2151082468
Notícias

Chewy, Varejista Online de Produtos para Pets nos EUA, Aumenta Vendas em 3,1% no Primeiro Trimestre de 2024

A Chewy, varejista de produtos pet, cresceu 3,1% em vendas até 28 de abril de 2024, atingindo US$ 2,87 bilhões no 1º trimestre. Lucro bruto subiu para US$ 853,99 milhões, e lucro líquido quase triplicou para US$ 66,9 milhões. O programa de autoship gerou 77,6% das vendas. A Chewy prevê crescimento de 2-3% no 2º trimestre e 4-6% no ano fiscal de 2024. Estratégias de sucesso, como autoship e foco no cliente, podem inspirar o mercado pet brasileiro.

mulher-de-foto-completa-com-cachorro-em-estudio_23-2150747608
Notícias

Crescimento do mercado pet demanda diversificação de profissionais; comportamento animal é um dos destaques

O mercado pet brasileiro cresceu no pós-pandemia, impulsionado pela adoção de animais e novas necessidades dos tutores. Projeções indicam que o setor pode crescer 12,8% em 2024, alcançando R$ 54 bilhões. Profissões diversas, como veterinários e especialistas em comportamento, são essenciais. Serviços como Dog Walker, Creches e Pet Sitters tornaram-se indispensáveis. A PET South America oferecerá o curso PET Comportamento, focado no treinamento e bem-estar de gatos e cães, com especialistas abordando desafios comportamentais e estratégias terapêuticas.

vista-lateral-do-cao-assistindo-proprietario-trabalhar-no-laptop_23-2148567042
Notícias

Gastos com produtos para pets impulsionaram a performance das vendas online no país

Nos últimos anos, o Brasil viu uma transformação nos hábitos de consumo, especialmente após a pandemia, com um aumento de 192% nos gastos digitais. O setor de produtos para pets cresceu 162%, destacando a mudança nas preferências de consumo e a adaptação do mercado para atender a novas demandas.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Caroline Pasternack, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.