Juliana Damasceno

Alotriofagia: atratividade dos gatos por mastigação de materiais não alimentares pode trazer risco à vida dos pets

Escrito por Juliana Damasceno

29 MAR 2023 - 07H00

O transtorno psicológico de Alotriofagia, também conhecido como “Síndrome de Pica” acomete humanos e os pets. Essa síndrome é caracterizada pela mastigação e ingestão de objetos sem fundo nutricional como: plástico, papel, tecidos, brinquedos, fios, cabos, etc. Esse comportamento ocorre com uma frequência muito comum entre os gatos domésticos, mas não é um comportamento natural e pode estar associado a causas clínicas e comportamentais. Apesar de ainda ser pouco investigado pela ciência, este transtorno comportamental pode estar atrelado a fatores como: deficiências nutricionais, questões gastrointestinais, ansiedade, estresse, hiper-apego, ansiedade de separação, entre outros.

Em gatos os materiais mais comuns de serem ingeridos são: plásticos como sacolinhas de mercado ou embalagens no geral, papeis, elásticos de prender o cabelo, cordas, fios e elásticos de brinquedos, cadarços, cabos de energia, roupas, toalhas, mantas de micro-fibra, meias, panos no geral, pedaços de brinquedos deixados à disposição. O comportamento pode se iniciar com lambeduras ou sucção e evoluir para mastigação e ingestão.

O risco dessas ingestões é alto, podendo levar o gato a realização de cirurgias para retirada do corpo estranho ou até mesmo

Caso o seu gato apresente estes comportamentos evite repreender e punir, tentar impedir que o gato tenha acesso ao objeto ou puni-lo por ter ingerido o objeto apenas trará mais estresse e frustração podendo inclusive agravar o quadro. Siga as dicas abaixo:

  • Evite que o gato tenha acesso aos materiais: mantenha os materiais de interesse fora do acesso do gato, guardando-os ou protegendo-os, como no caso dos fios de energia, por exemplo;

  • Avaliação com um médico veterinário para investigação de possíveis causas clínicas para o comportamento;

  • Nutrição de qualidade: orientada por um profissional, ele saberá qual a alimentação ideal de acordo com a idade, necessidade física e condição clínica;

  • Enriquecimento ambiental: promover uma adaptação no ambiente para que o gato tenha condições de exibir seus comportamentos naturais (escalar, arranhar, ocupar locais elevados, se esconder, etc) e proporcionar atividade com brinquedos que estimulem comportamentos de caça (varinhas de penas, ratinhos e bolinhas, por exemplo);

  • Guardar os brinquedos após a estimulação: evite deixar brinquedos espalhados pela casa, principalmente se houver o material de atração para mastigação;

Em casos de ingestão de objetos é importante manter o animal sob observação e leva-lo ao veterinário, as intervenções clínicas serão realizadas considerando a segurança para o gato.

Procure um comportamentalista, não basta apenas retirar o objeto, pois a reincidência tenderá a acontecer em um descuido, o comportamento de alotriofagia tende a ser compulsivo, podendo inclusive se agravar em frequência e intensidade com o tempo, por se tratar de um distúrbio comportamental a terapia comportamental felina é essencial para tratar a questão. 

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

O que fazer para resgatar um gato arredio (arisco)?

Resgate de gatos arredios nas ruas requer paciência e cuidados. Prepare-se com caixa de transporte, alimentos atrativos e luvas. Aproxime-se gradualmente, evitando forçar contato. Após o resgate, opte pela esterilização e devolução ou encaminhe para adoção responsável. Gatos arredios necessitam de socialização gradual em ambientes seguros, estimulando positivamente.

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

Gatos e visitas: o que fazer quando o felino tem medo de pessoas desconhecidas

Gatos escondem-se de pessoas desconhecidas devido ao instinto de autopreservação, relacionado à territorialidade. Esse comportamento, se não mitigado desde filhote, pode resultar em estresse e problemas de saúde. A sociabilização precoce é crucial para gatos confiantes. Dicas incluem associar visitantes a experiências positivas, criar refúgios adequados e recompensar avanços. Tutores devem evitar repreensões, promovendo um ambiente seguro. Para gatos adultos temerosos, é possível incentivá-los gradualmente a interagir com estranhos. A WellFelis oferece serviços especializados, garantindo o bem-estar dos gatos durante a ausência dos tutores. Gatos mais sociáveis são mais saudáveis e felizes, independentemente da idade.

Marcela Barbieri_header
Marcela Barbieri

Coprofagia - distúrbio que vai além do comportamento

Muitos tutores e até Veterinários acreditam que o comportamento coprofágico está relacionado apenas à questões comportamentais. Porém, estudos mostram que a coprofagia na verdade pode sinalizar problemas graves que estão acontecendo no organismo do animal.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Juliana Damasceno, em Juliana Damasceno

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.