Juliana Damasceno

Não consigo adaptar meus gatos, e agora?

Escrito por Juliana Damasceno

13 SET 2023 - 09H00

Para os gateiros a chegada de um novo gato em casa gera um misto de emoções, principalmente quando há outros gatos na residência. Ao mesmo tempo que a chegada de um novo felino é sinal de alegria e afeto, há as diversas questões relacionadas à adaptação desse novo indivíduo aos demais da casa, e esse período pode ser desafiador para gatos e humanos.

Na natureza, gatos de diferentes origens se consideram inimigos e competidores de território e recursos como alimento, áreas de descanso seguras, assim como acesso a parceiros sexuais. Essa rivalidade não é diferente em ambiente doméstico. Quando temos gatos que já habitam a casa e trazemos outro felino de diferente origem eles poderão conflitar imediatamente ou emitir sinais mais sutis de desconforto que após algum tempo passam a gerar estresse e conflitos, que podem ser diretos (perseguições, patadas, vocalizações e brigas) ou indiretos (encaradas, bloqueios, isolamento, entre outros). A tensão e estresse social podem levar a outros problemas comportamentais e de saúde como: eliminação em local inadequado, agressividade com humanos, comportamentos compulsivos, cistite idiopática, questões gastrointestinais, etc.

Uma pesquisa realizada em 2020 por Elzerman e colaboradores detectou que as casas multi-cats (com mais de um gato) que apresentavam conflito entre os gatos, os primeiros sinais de agressividade foram perceptíveis desde a adaptação.

Já falamos aqui em nossa coluna sobre importantes passos para uma adaptação bem-sucedida (caso você esteja iniciando uma adaptação de um gato em uma casa com outro pet, confira a matéria neste link).

O processo de adaptação entre os gatos é de extrema importância para que eles tenham uma boa relação social, sem conflitos, mas muitas vezes pode ser desafiador para alguns tutores realizarem esses passos. Alguns tutores colocam em prática a adaptação gradativa, mas acabam não conseguindo uma relação harmoniosa entre seus gatos, o que podemos fazer a partir dessa situação? Abaixo estão algumas dicas importantes para que os gatos venham a ter uma relação harmoniosa sem conflitos:

  1. Há recursos para todos? Na natureza os gatos irão dividir o território se houver recursos disponíveis em abundância. Portanto, multiplique e não concentre os recursos como: água, comedouro, caixas de areia, arranhadores e locais de descanso. Aplique a regrinha do (n+1) - número de gatos + um item de todos os recursos e disponibilize de maneira dispersa no ambiente todo da casa;
  2. Não apresse os passos da adaptação: na maioria das vezes os tutores estão ansiosos para ver os gatos juntos, mas uní-los sem terem uma comunicação positiva só criará mais conflitos, se eles já estiverem juntos no mesmo ambiente e existir tensão como rosnados, sibilados, encaradas, ou qualquer sinal de desconforto de uma das partes, volte alguns passos da adaptação;
  3. Evite repreender: ao intervir em um conflito, utilize a estratégia de trazer a atenção de um dos gatos para outro estímulo e se a tensão entre eles estiver alta com encaradas, utilize um objeto para bloquear a visão entre eles como uma almofada, por exemplo. Os gatos acabam se desafiando pelos olhares, portanto o bloqueio da visão auxilia a dissipar a tensão. Evite fazer barulhos, borrifar água ou qualquer outro elemento que gere medo e susto entre os gatos, eles irão se associar ainda mais negativamente por meio desses estímulos negativos que geram desconforto;
  4. Não force os contatos: evite manter os gatos no mesmo ambiente se ainda houver desconforto, mantê-los na convivência sem que se sintam à vontade na presença um do outro gera estresse que podem levar a outras questões clínicas e comportamentais. Se não estão a vontade, mantenha-os separados fisicamente e mantenha o passo a adaptação que se sintam mais tranquilos e confiantes;
  5. Realize associações positivas: em todos os momentos do processo de adaptação os gatos precisam se associar a um estímulo bom e favorito para eles. Seja desde o momento que estão totalmente sem contato ou em um estágio mais avançado, a presença de um deve sempre simbolizar algo de muito valor para o outro;
  6. Tenha o auxílio de um profissional em comportamento felino: além de te auxiliar guiando em cada passo da adaptação, o comportamentalista será capaz de detectar questões comportamentais individuais que afetam diretamente na convivência com outro felino. Ele também conseguirá avaliar quais são os detalhes do processo que necessitam de ajuste para que os gatos venham a ter uma relação mais harmoniosa.

O processo de adaptação de um novo gato pode ser lento, mas ele deve ser gradativo e por tempo indeterminado, pois é necessário que os felinos se sintam seguros em relação a esta convivência para que ela seja harmoniosa. Para que haja bem-estar social entre os gatos é importante que haja gradatividade, associações positivas e segurança, cada gato terá seu tempo e sua personalidade única impactando no processo.

Por:

Juliana Damasceno

Bióloga, Mestre e Doutora em Psicobiologia

Fundadora da Wellfelis Comportamento e Bem-Estar Felino

Pesquisa citada:

Elzerman, A. L., DePorter, T. L., Beck, A., & Collin, J. F. (2020). Conflict and affiliative behavior frequency between cats in multi-cat households: a survey-based study. Journal of feline medicine and surgery, 22(8), 705-717. 

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

O que fazer para resgatar um gato arredio (arisco)?

Resgate de gatos arredios nas ruas requer paciência e cuidados. Prepare-se com caixa de transporte, alimentos atrativos e luvas. Aproxime-se gradualmente, evitando forçar contato. Após o resgate, opte pela esterilização e devolução ou encaminhe para adoção responsável. Gatos arredios necessitam de socialização gradual em ambientes seguros, estimulando positivamente.

juliana damasceno header
Juliana Damasceno

Gatos e visitas: o que fazer quando o felino tem medo de pessoas desconhecidas

Gatos escondem-se de pessoas desconhecidas devido ao instinto de autopreservação, relacionado à territorialidade. Esse comportamento, se não mitigado desde filhote, pode resultar em estresse e problemas de saúde. A sociabilização precoce é crucial para gatos confiantes. Dicas incluem associar visitantes a experiências positivas, criar refúgios adequados e recompensar avanços. Tutores devem evitar repreensões, promovendo um ambiente seguro. Para gatos adultos temerosos, é possível incentivá-los gradualmente a interagir com estranhos. A WellFelis oferece serviços especializados, garantindo o bem-estar dos gatos durante a ausência dos tutores. Gatos mais sociáveis são mais saudáveis e felizes, independentemente da idade.

Marcela Barbieri_header
Marcela Barbieri

Coprofagia - distúrbio que vai além do comportamento

Muitos tutores e até Veterinários acreditam que o comportamento coprofágico está relacionado apenas à questões comportamentais. Porém, estudos mostram que a coprofagia na verdade pode sinalizar problemas graves que estão acontecendo no organismo do animal.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Juliana Damasceno, em Juliana Damasceno

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.