Panorama PET VET

Companhia aérea para cães terá 1º voo em maio

Escrito por Panorama PET VET

02 MAI 2024 - 18H11

Em meio a polêmicas e a uma tragédia envolvendo voos com animais de estimação, surge uma companhia aérea exclusiva para cães. A Bark Air, empresa norte-americana dedicada a produtos para pets, lançou a primeira operação do gênero que prioriza exclusivamente o bem-estar e conforto dos animais.

Desde 11 de abril, donos de cachorros podem reservar assentos em jatos particulares Gulfstream 550. Essas aeronaves podem acomodar até dez cães, juntamente com seus tutores.

Um concierge da Bark Air estará encarregado de receber os cães e seus donos. Durante o voo, a cabine será preparada com recursos calmantes, como música suave e toalhas quentes com aroma de lavanda. Também serão disponibilizados petiscos, rações, água, coleiras e saquinhos para recolher as necessidades dos pets durante todo o trajeto.

Companhia aérea para cães: como serão a operação e os custos

De acordo com o site da empresa, os voos serão operados uma vez por semana de Nova York (Aeroporto Westchester County) para Los Angeles (Aeroporto Van Nuys) e duas vezes por mês de Nova York para Londres (Aeroporto Stansted). As primeiras partidas estão previstas para 23 de maio.

Por enquanto, os preços das viagens são elevados. O trecho de Nova York para Los Angeles custará inicialmente US$ 6 mil (R$ 31 mil). Já o bilhete de ida de Nova York rumo a Londres chegará a US$ 8 mil – ou seja, quase R$ 41.500. Cada passagem inclui assentos para o cão e o tutor.

Companhia aérea para cães: como é viajar com o pet no Brasil?

Segundo normas da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o cão-guia deve ser transportado gratuitamente no chão da cabine da aeronave, em local adjacente ao de seu dono e sob seu controle. O pet deve estar equipado com arreio e não precisa usar focinheira.

Já o transporte de animais de estimação ou de apoio emocional pode ser cobrado pela empresa aérea. Esses pets devem ser transportados conforme as diretrizes estabelecidas no contrato de cada companhia.

Na tentativa de tornar menos burocrática e transparente essa experiência, a agência PetFriendly Turismo propõe consultoria integral para viagem com animais de estimação. Com sede na capital paulista, já viabilizou a viagem de 5 mil pets. Entre os serviços oferecidos estão assistência veterinária, consultoria personalizada para planejamento de rotas e itinerários, táxi pet e opções de hospedagem amigáveis para os bichinhos.

“Nosso propósito é tornar cada vez menos incômodo o deslocamento dos pets para outro estado ou país, investindo em parcerias com companhias aéreas e também com os times de gestão dos aeroportos”, diz a CEO da PETFriendly Turismo, Juliana Stephani.

vista-superior-sobre-acessorios-para-animais-de-estimacao_23-2150930398
Panorama PET VET

Lista das maiores indústrias de rações tem 4 brasileiras

Quatro empresas brasileiras estão entre as 15 maiores indústrias de rações da América Latina, liderando a lista. Juntas, faturaram US$ 1,3 bilhão em 2023. A BRF Pet lidera com R$ 3,2 bilhões, seguida pela Special Dog com R$ 2 bilhões, Premierpet com R$ 1,1 bilhão e Total Alimentos com R$ 1 bilhão. A indústria de pet food na América Latina cresceu 41% em cinco anos, passando de US$ 8,88 bilhões em 2019 para US$ 11,69 bilhões em 2023.

close-up-veterinarian-taking-care-dog
Panorama PET VET

Setor quer nova regra para veterinários na reforma tributária

Entidades e empresas como ANMV, ABHV, Petlove, Petz, Zee.Dog e WeVets buscam incluir a saúde veterinária na reforma tributária para reduzir em 60% as alíquotas do IBS/CBS, argumentando que isso evitaria prejuízos à categoria e à qualidade dos serviços, além de combater a informalidade. A reforma pode aumentar a carga tributária de 15% a 30%, impactando negativamente o acesso aos serviços, especialmente para as classes C, D e E.

Grupo-Patense-768x432
Panorama PET VET

Indústria de rações vai à Justiça por dívida de R$ 2 bi

O Grupo Indústria de Rações Patense, fabricante brasileira de pet food com exportações para três continentes, solicitou recuperação judicial. A empresa pediu o bloqueio da execução de dívidas por 60 dias para renegociar com credores, reconhecendo uma dívida de R$ 2,17 bilhões. Fundada em 1970, a Patense opera em Minas Gerais e em outros estados, com 35% do faturamento vindo do exterior. A crise atual, atribuída a aquisições entre 2021 e 2023, resultou em dívidas bancárias e problemas com CRAs e debêntures. Em abril, credores anteciparam o vencimento das dívidas devido a inadimplência.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Panorama PET VET, em Panorama PET VET

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.