Panorama PET VET

Fusão entre Petz e Cobasi cria grupo de R$ 6,9 bilhões

Escrito por Panorama PET VET

25 ABR 2024 - 08H05

A fusão entre Petz e Cobasi começa a sair do papel, após as duas líderes do mercado pet retomarem conversações em agosto do ano passado. O acordo resultará na criação de um grupo com faturamento bruto de R$ 6,9 bilhões.

Segundo informações do portal Neofeed, as redes do varejo pet assinaram um memorando de entendimentos não vinculante, o que habilita o início do processo de due diligence das duas empresas.

Com a fusão, a nova companhia somaria 483 lojas e R$ 209 milhões de recursos em caixa. Teria cerca de 9% de market share e se distanciaria ainda mais da Petlove, que registra R$ 1 bilhão de receita e também ensaiava uma negociação com a Petz.

O memorando prevê que os acionistas da Petz recebam R$ 450 milhões em dinheiro. Atualmente, 49,1% do controle acionário da rede pertence ao fundador e CEO Sergio Zimerman. Os demais 50,9% estão em circulação e disponíveis para negociação na Bolsa de Valores. Já a Cobasi tem 89,5% das ações nas mãos da família Nassar. O fundo de investimentos Kinea detém 7,8% e 2,7% são de outros acionistas.

O comando da nova empresa também foi definido. Zimerman será o presidente do conselho e Paulo Nassar, CEO da Cobasi, assumirá o cargo de CEO.

Fusão entre Petz e Cobasi pode criar gigante do varejo

A fusão entre Petz e Cobasi pode criar um gigante do varejo nacional, já que os PDVs das redes ainda estão muito concentrados em São Paulo.

Para especialistas, a nova companhia teria fôlego para acelerar a consolidação no país e tirar espaço de pequenas e médias redes, a exemplo do que ocorreu em 2011 no mercado farmacêutico, com a formação da Raia Drogasil.

Primeira colocada do setor, a Petz abriu capital em 2020 e captou em torno de R$ 3 bilhões à época. No ano seguinte, levantou quase R$ 800 milhões em uma oferta subsequente de ações, aplicando os recursos na expansão de lojas.

O foco da Petz é avançar no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, onde a receita superou pela primeira vez a do estado de São Paulo em 2022. O mercado paulista, que há três anos respondia por 65% das vendas do grupo, hoje representa 54%.

A Cobasi, por sua vez, deixou de lado a possibilidade de abrir capital para buscar aportes privados. Com os R$ 300 milhões que recebeu do Kinea, a rede acelerou seu processo de expansão geográfica. Um dos passos mais ambiciosos foi a compra da Mundo Pet, do Ceará. A companhia passou a controlar 14 lojas no Nordeste e dobrou de tamanho na região.

vista-superior-sobre-acessorios-para-animais-de-estimacao_23-2150930398
Panorama PET VET

Lista das maiores indústrias de rações tem 4 brasileiras

Quatro empresas brasileiras estão entre as 15 maiores indústrias de rações da América Latina, liderando a lista. Juntas, faturaram US$ 1,3 bilhão em 2023. A BRF Pet lidera com R$ 3,2 bilhões, seguida pela Special Dog com R$ 2 bilhões, Premierpet com R$ 1,1 bilhão e Total Alimentos com R$ 1 bilhão. A indústria de pet food na América Latina cresceu 41% em cinco anos, passando de US$ 8,88 bilhões em 2019 para US$ 11,69 bilhões em 2023.

close-up-veterinarian-taking-care-dog
Panorama PET VET

Setor quer nova regra para veterinários na reforma tributária

Entidades e empresas como ANMV, ABHV, Petlove, Petz, Zee.Dog e WeVets buscam incluir a saúde veterinária na reforma tributária para reduzir em 60% as alíquotas do IBS/CBS, argumentando que isso evitaria prejuízos à categoria e à qualidade dos serviços, além de combater a informalidade. A reforma pode aumentar a carga tributária de 15% a 30%, impactando negativamente o acesso aos serviços, especialmente para as classes C, D e E.

Grupo-Patense-768x432
Panorama PET VET

Indústria de rações vai à Justiça por dívida de R$ 2 bi

O Grupo Indústria de Rações Patense, fabricante brasileira de pet food com exportações para três continentes, solicitou recuperação judicial. A empresa pediu o bloqueio da execução de dívidas por 60 dias para renegociar com credores, reconhecendo uma dívida de R$ 2,17 bilhões. Fundada em 1970, a Patense opera em Minas Gerais e em outros estados, com 35% do faturamento vindo do exterior. A crise atual, atribuída a aquisições entre 2021 e 2023, resultou em dívidas bancárias e problemas com CRAs e debêntures. Em abril, credores anteciparam o vencimento das dívidas devido a inadimplência.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Panorama PET VET, em Panorama PET VET

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.