Juliana Damasceno

O que todo gateiro precisa saber sobre seu felino

Curiosidades e informações que são imprescindíveis para que os gatos tenham qualidade de vida e evitar que desenvolvam problemas comportamentais

Escrito por Pet Conecta Digital

29 JUN 2022 - 07H00

Com o crescimento dos gatos como animais de companhia, muitos tutores se deparam com dificuldades em compreender os comportamentos e promover os cuidados ideais para a espécie. Gatos domiciliados possuem uma expectativa de vida de 14 anos e para que esse tempo seja o melhor possível, com muita saúde e bem-estar, é fundamental que os tutores tenham conhecimento sobre como proporcionar o manejo diário ideal.

Conhecendo quem é o felino doméstico

A espécie do nosso gato doméstico atual recebe o nome científico de Felis silvestris catus que descendente do gato selvagem africano (Felis silvestris lybica), e apesar da diferenciação entre as espécies ter ocorrido em torno de 10 mil anos, eles ainda são muito similares em termos de morfologia e comportamento. Desta forma, muitos cientistas da área de etologia (estudo do comportamento animal), ainda se referem ao gato estar em processo de domesticação, considerando-o como semi-domesticado.

A história de domesticação do gato ocorreu de maneira natural, sem a necessidade do homem em buscar o gato na natureza. A partir do início da agricultura, os grãos estocados atraíram muitos roedores e por consequência, os gatos selvagens foram atraídos pela abundância de presas disponíveis. Aos poucos os gatos convivendo próximos as aldeias foram passando a se tornarem mais dóceis e a fazer parte das famílias como um animal de companhia. Assim, a aproximação do gato com os humanos foi ocorrendo gradativamente e permanece até hoje, neste movimento de viver em livre independência (gatos ferais) ou ser considerado como um membro da família.

Assim, suas características essenciais como espécie estão extremamente preservadas como: a necessidade de exibir comportamentos relacionados à caça, escalar em subir em locais elevados, arranhar, cavar e enterrar suas eliminações, se esconder de possíveis perigos e apresentar dificuldade em conviver com muitos gatos no mesmo ambiente. O gato selvagem africano, ancestral do gato doméstico tem o hábito de viver solitariamente, já o gato doméstico atual é capaz de formar pequenos grupos, desde que haja recursos suficientes para todos.

Como preparar o ambiente para ter gatos

Para proporcionar bem-estar e qualidade de vida para os gatos em um ambiente doméstico é preciso adaptar a residência para que ela atenda as necessidades comportamentais felinas. Essa adaptação evitará exibições de comportamentos indesejados e evitará o desenvolvimento de problemas comportamentais.

O hábito semi-arborícola da espécie está ligado a uma necessidade de transitar, se esconder, caçar e se proteger em locais elevados ao solo. Por isso, ter verticalizações (prateleiras, degraus, nichos, postes de escalada etc.) são essenciais para que os gatos possam, não apenas circular, mas se refugiar e descansar nessas localizações. Atualmente muitas empresas estão se especializando em fabricar móveis específicos para gatos, a fim de suprir essa necessidade do mercado. Antes de adicionar verticalizações para os gatos é importante avaliar quesitos como: ergonomia, conforto e acesso facilitado. Escolha locais da casa centralizados e que você ocupe, pois os gatos gostam de estar onde os tutores ficam (ex: escritório, sala e quarto, são os mais recomendados).

Gatos são territorialistas, ou seja, determinam um local fixo na natureza pra viverem. Eles defendem, marcam e patrulham esse ambiente para se sentirem seguros, pois nesse local há tudo que eles precisam para sobrevivência, os recursos fundamentais. Em ambiente doméstico esses recursos são chamados de recursos-chaves e eles são divididos em cinco categorias: 1) alimentação, 2) hidratação, 3) arranhadores, 4) caixa de areia e 5) locais de abrigo e descanso. E eles devem estar disponibilizados de maneira multiplicada e descentralizada. A quantidade de recursos deve ser sempre uma a mais que o número de gatos (ex: 2 gatos = 3 locais de alimentação, em diferentes localizações).

A descentralização e multiplicação permite que o gato utilize o território de maneira completa, se sentindo seguro em relação a possíveis ameaças e reduzindo a tendência de competição por recursos em casas com mais de um gato.

No decorrer de nossas publicações aqui na coluna, iremos nos aprofundar mais em cada um dos itens dos recursos-chaves, para ensinar como devemos proporcioná-los da maneira mais ideal para os gatos.

Estabelecendo um dia a dia saudável

Para que o controle do ambiente seja eficaz, na natureza os gatos estabelecem horários específicos para realizar cada atividade. Geralmente dormem boa parte do dia, em locais seguros e pré-determinados, e concentram sua atividade na parte da manhã e da noite. Em casa, nós devemos também estabelecer uma rotina de cuidados, determinando horários para atenção, brincadeiras, alimentação, limpeza das caixas de areia e carinho. Saber quando as coisas acontecerão traz segurança e controle para o gato, o que afeta diretamente seu bem-estar.

Como caçadores crepusculares, os gatos tenderão a apresentar picos de energia no amanhecer e entardecer (podendo variar para mais tarde da noite). Nesses horários é recomendado realizar uma rotina de estimulação com brinquedos. Varinhas com penas nas pontas, fitas, ratinhos, bolinhas e outros materiais leves e que simulem presas são indicados para que os tutores engajem seus gatinhos a perseguirem, espreitarem e atacarem brinquedos. A estimulação desses comportamentos lúdicos é fundamental para que o felino expresse os comportamentos de caça que são essenciais para manter seu bem-estar elevado e evitar o desenvolvimento de comportamentos inadequados e anormais.

É claro que há muitas outras informações importantes para que gateiros saibam mais sobre seus gatos, mas estas são as essenciais. Aqui na coluna falaremos muito ainda sobre os pontos citados aqui e sobre aspectos relacionados ao mundo dos gatos, para que gatos e gateiros tenham uma convivência harmoniosa e satisfatória. E, ainda, para que os lojistas e empreendedores do mercado pet conheçam mais sobre essa espécie, que cresce cada vez mais no Brasil e no Mundo.

Você tem uma sugestão de tema que gostaria de ver por aqui? Deixe nos comentários em nosso instagram que iremos preparar uma matéria especial. Fique à vontade também para deixar dúvidas sobre algum tópico do texto.


Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pet Conecta Digital, em Juliana Damasceno

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.