Panorama PET VET

Sindan alerta sobre doenças em pets no Rio Grande do Sul

Escrito por Panorama PET VET

30 MAI 2024 - 09H00

O Sindan emitiu um alerta sobre perigos de doenças em pets no Rio Grande do Sul, após as enchentes que atingiram o estado. Segundo informações da Agência Brasil, mais de 12.300 bichos foram resgatados. Muitos deles ficaram expostos a condições como leptospirose, cinomose e parvovirose.

O sindicato recomenda que todos os animais, tanto os que estão em abrigos como aqueles que retornaram aos seus tutores, sejam vacinados. “O histórico de vacinação desses animais é desconhecido. Por isso, mesmo que já tenham sido vacinados anteriormente, doses adicionais vão servir como reforço para a defesa imunológica, sem aumentar os riscos para a saúde deles”, alerta Luiz Monteiro, diretor técnico da entidade.

Para os animais que voltarem para casa, a orientação é que fiquem em um ambiente higienizado e desinfetado. Banhos com produtos apropriados são fundamentais. Além disso, qualquer ferida deve ser examinada por um médico veterinário e tratada com os medicamentos prescritos.

Monteiro enfatiza a importância de os tutores estarem atentos a sinais de alerta nos pets, como manchas na pele, coceiras, incômodo nos ouvidos, distúrbios alimentares (vômito e diarreia) e urina com volume e coloração anormais.

Em casos de aparecimento desses sintomas, é recomendável procurar ajuda especializada. “Esses sintomas podem ser indicativos de infecções ou outras condições que necessitam de tratamento específico, incluindo o uso de antibióticos”, explica.

Além do alerta de doenças em pets, entidade promoveu doações

Além do alerta de doenças em pets, o Sindan vem mobilizando a indústria veterinária para apoiar os atendimentos emergenciais. Por meio dessa mobilização, a entidade enviou na última semana uma doação de mais de 50 mil medicamentos veterinários para ONGs e abrigos cadastrados no Rio Grande do Sul.

vista-superior-sobre-acessorios-para-animais-de-estimacao_23-2150930398
Panorama PET VET

Lista das maiores indústrias de rações tem 4 brasileiras

Quatro empresas brasileiras estão entre as 15 maiores indústrias de rações da América Latina, liderando a lista. Juntas, faturaram US$ 1,3 bilhão em 2023. A BRF Pet lidera com R$ 3,2 bilhões, seguida pela Special Dog com R$ 2 bilhões, Premierpet com R$ 1,1 bilhão e Total Alimentos com R$ 1 bilhão. A indústria de pet food na América Latina cresceu 41% em cinco anos, passando de US$ 8,88 bilhões em 2019 para US$ 11,69 bilhões em 2023.

close-up-veterinarian-taking-care-dog
Panorama PET VET

Setor quer nova regra para veterinários na reforma tributária

Entidades e empresas como ANMV, ABHV, Petlove, Petz, Zee.Dog e WeVets buscam incluir a saúde veterinária na reforma tributária para reduzir em 60% as alíquotas do IBS/CBS, argumentando que isso evitaria prejuízos à categoria e à qualidade dos serviços, além de combater a informalidade. A reforma pode aumentar a carga tributária de 15% a 30%, impactando negativamente o acesso aos serviços, especialmente para as classes C, D e E.

Grupo-Patense-768x432
Panorama PET VET

Indústria de rações vai à Justiça por dívida de R$ 2 bi

O Grupo Indústria de Rações Patense, fabricante brasileira de pet food com exportações para três continentes, solicitou recuperação judicial. A empresa pediu o bloqueio da execução de dívidas por 60 dias para renegociar com credores, reconhecendo uma dívida de R$ 2,17 bilhões. Fundada em 1970, a Patense opera em Minas Gerais e em outros estados, com 35% do faturamento vindo do exterior. A crise atual, atribuída a aquisições entre 2021 e 2023, resultou em dívidas bancárias e problemas com CRAs e debêntures. Em abril, credores anteciparam o vencimento das dívidas devido a inadimplência.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Panorama PET VET, em Panorama PET VET

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.